sexta-feira, 24 de agosto de 2012

CÂNDIDO PORTINARI

Filho de imigrantes italiano, Cândido Portinari nasceu no dia 29 de dezembro de 1903, numa fazenda nas proximidades de Brodowski, interior de São Paulo. Com a vocação artística florescendo logo na infância, Portinari teve uma educação deficiente, não completando sequer o ensino primário. Aos 14 anos de idade, uma trupe de pintores e escultores italianos que atuava na restauração de igrejas passa pela região de Brodowski e recruta Portinari como ajudante. Seria o primeiro grande indício do talento do pintor brasileiro.

Aos 15 anos, já decidido a aprimorar seus dons, Portinari deixa São Paulo e parte para o Rio de Janeiro para estudar na Escola Nacional de Belas Artes. Durante seus estudos na ENBA, Portinari começa a se destacar e chamar a atenção tanto de professores quanto da própria imprensa. Tanto que aos 20 anos já participa de diversas exposições, ganhando elogios em artigos de vários jornais. Mesmo com toda essa badalação, começa a despertar no artista o interesse por um movimento artístico até então considerado marginal: o modernismo. Um dos principais prêmios almejados por Portinari era a medalha de ouro do Salão da ENBA. Nos anos de 1926 e 1927, o pintor conseguiu destaque, mas não venceu. Anos depois, Portinari chegou a afirmar que suas telas com elementos modernistas escandalizaram os juízes do concurso. Em 1928 Portinari deliberadamente prepara uma tela com elementos acadêmicos tradicionais e finalmente ganha a medalha de ouro e uma viagem para a Europa.
Menino com carneiro

Os dois anos que passou vivendo em Paris foram decisivos no estilo que consagraria Portinari. Lá ele teve contato com outros artistas como Van Dongen e Othon Friesz, além de conhecer Maria Martinelli, uma uruguaia de 19 anos com quem o artista passaria o resto de sua vida. A distância de Portinari de suas raízes acabou aproximando o artista do Brasil, e despertou nele um interesse social muito mais profundo.

Em 1946 Portinari volta ao Brasil renovado. Muda completamente a estética de sua obra, valorizando mais cores e a ideia das pinturas. Ele quebra o compromisso volumétrico e abandona a tridimensionalidade de suas obras. Aos poucos o artista deixa de lado as telas pintadas a óleo e começa a se dedicar a murais e afrescos. Ganhando nova notoriedade entre a imprensa, Portinari expõe três telas no Pavilhão Brasil da Feira Mundial em Nova Iorque de 1939. Os quadros chamam a atenção de Alfred Barr, diretor geral do Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (MoMA).

A década de quarenta começa muito bem para Portinari. Alfred Barr compra a tela "Morro do Rio" e imediatamente a expõe no MoMA, ao lado de artistas consagrados mundialmente. O interesse geral pelo trabalho do artista brasileiro faz Barr preparar uma exposição individual para Portinari em plena Nova Iorque. Nessa época, Portinari faz dois murais para a Biblioteca do Congresso em Washington. Ao visitar o MoMA, Portinari se impressiona com uma obra que mudaria seu estilo novamente: "Guernica" de (Pablo Picasso).

Em 1951 uma anistia geral faz com que Portinari volte ao Brasil. No mesmo ano, a 1° Bienal de São Paulo expõe obras de Portinari com destaque em uma sala particular. Mas a década de 50 seria marcada por diversos problemas de saúde. Em 1954 Portinari apresentou uma grave intoxicação pelo chumbo presente nas tintas que usava.

Desobedecendo as ordens médicas, Portinari continuava pintando e viajando com frequência para exposições nos Estados Unidos, Europa e Israel. No começo de 1962 a prefeitura de Milão convida Portinari para uma grande exposição com 200 telas. Trabalhando freneticamente, o envenenamento de Portinari começa a tomar proporções fatais. No dia 6 de fevereiro do mesmo ano, Cândido Portinari morre envenenado pelas tintas que o consagraram.

Seu filho João Candido Portinari hoje cuida dos direitos autorais das obras de Portinari.
Cândido Portinari, Cangaceiro., óleo sobre tela.
Descida da Cruz (painel - Passo XIII da Via Sacra ) , 1944 - 1945 
São Francisco
Futebol

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Cynthia Ebaid

Cynthia Ebaid
Nascida em São Paulo, Cynthia Maria Ebaid Ferrreira Santos se afeiçoos às artes: os rabiscos na escola, coloridos e livres, expressivos e repletos de interpretações misteriosas, chamavam já a atenção de quem os avaliava. 

Pra Cynthia, o desenho sempre foi a forma mais verdadeira de sentir o Ser Humano, onde nada é escondido, nada é falso, embora seja sempre necessário vasculhar um pouco além do que é apenas aparente. 
Assim, aquilo que se refugia no inconsciente se manifesta através da Arte. 

Formando-se em Psicologia, escolheu o Psicodrama - expressão corporal da vivência psíquica - como especialização terapêutica, utilizando a arte na revelação dos obstáculos que impedem à livre manifestação da espontaneidade e criatividade no desempenho dos papéis do cotidiano. 

Na dança da paixão pela Arte, pela harmonia das cores, na contorção das formas e difusão dos sentidos, seus trabalhos foram gradativamente se afastando do estilo acadêmico para o impressionismo, chegando hoje ao figurativo.
"Duas Figuras"
"Bailarina"
"Sincronicidade"

“Vaidade”

Dimensões: 120 x 80 cm
Técnica: Acrílica sobre tela
Ano: 2006

“Vitoria”

Dimensões: 120 x 80 cm
Técnica: Acrílica sobre tela
Ano: 2006